Archive for the 'Pina Baush - Inverno 2010' Category

COMENTÁRIOS [+]

Objeto não identificado – Inverno 2010

Categoria: Pina Baush - Inverno 2010

“O que Pina Bausch conta no palco e na plateia é um teatro que liberta todas as inibições, é festa, jogo, sonho, símbolo, recordação, antecipação, cerimônia. É um conforto que se destrói doce e insidiosamente, porque o que a gente quer é que toda essa harmonia, toda essa leveza, todo esse encantamento não acabe jamais e que a vida seja assim. ” FEDERICO FELLINI

+++++++++++++++++++++++++++

Meu primeiro contato com a obra de Pina Bausch foi no início dos anos 1990, através de uma imagem da peça Cravos, inspirada nas ditaduras sul-americanas: uma bailarina caminhava em meio a milhares de cravos e tocava bandoneon, vigiada por cães raivosos. Essa cena foi a primeira de muitas que ficariam para sempre tatuadas em minha memória. O estranhamento que suas peças provocam jamais me abandonaria.
Bausch rompeu os limites entre dança e teatro, palco e plateia, erudito e popular.

Dançando, ela quebrava nossas pernas, mudava nossos membros de lugar, expunha nossas feridas mais ocultas, nos lembrava o quão pouco generosos somos.

Dançando, ela quebrava nossas pernas, mudava nossos membros de lugar, expunha nossas feridas mais ocultas, nos lembrava o quão pouco generosos somos.

Sensível, construiu matéria fina e única a partir de situações prosaicas e cotidianas. Desamparo, ternura, medo, saudade e luto atravessam a infância, a violência, o amor e, sobretudo, a necessidade absoluta de ser amado. Muito além da dança, Pina nos oferece um olhar para um mundo mais terno, sem fronteiras, onde o fundo da humanidade é o mesmo para todos. Ao fim de uma peça de Bausch, saíamos invariavelmente sem entender nada e entendendo tudo. Tudo daquilo que é cabeça, coração e corpo. Ao mesmo tempo.

“NÃO ME INTERESSA O MOVIMENTO DAS PESSOAS E SIM O QUE MOVIMENTA AS PESSOAS”,

dizia ela, que marcou nosso tempo como Fellini fez cinema, como Lina Bo Bardi fez arquitetura, como Rei Kawakubo faz moda, como Caetano Veloso faz música… Quando se esperava rigor, ela nos trazia um circo felliniano. Quando nos preparávamos para  o circo ela armava um teatro expressionista alemão. Em todas as peças ela nos fazia esquecer ou entender que a dança estava em nada e em tudo. A relação afetuosa do seu ofício com o seu tempo aparece em suas palavras:

“UMA CARÍCIA PODE SER UM MOVIMENTO DE DANÇA”.

Serei eterno súdito.

COMENTÁRIOS [+]

Um café com Pina

Categoria: Pina Baush - Inverno 2010

COMENTÁRIOS [+]

“Foi-se Pina….

Categoria: Pina Baush - Inverno 2010

….E NOS SOBROU O CIRQUE DE SOLEIL.” Arnaldo jabor.

COMENTÁRIOS [+]

Pina Bausch

Categoria: Pina Baush - Inverno 2010

Uma das maiores personalidades da dança do século XX, Pina Bausch criou com seus espetáculos uma arte total, a partir do entendimento das relações humanas, das pulsões, dos desejos e das impossibilidades. Na cena: dança, teatro, literatura, música, artes plásticas, cinema entrelaçados para trazer à tona a matéria ordinária da vida, por fora e por dentro, numa linguagem essencial, que ecoa em cada um de nós.
Philippina Bausch (1940-2009) começou sua formação aos quinze anos de idade, na escola dirigida por Kurt Jooss (1901-79), em Essen (Alemanha). Estudou na Julliard School (Nova Iorque), depois retornou à Alemanha, tornando-se solista do recém-criado Kurt Jooss Ballet. Em 1973 passou a dirigir o Tanztheater de Wuppertal, ganhando prestígio inusitado com seus espetáculos, a partir de fins da década de 70. Sua obra possui raízes na tradição do expressionismo alemão, influenciada pelo trabalho de Jooss, no que se refere à abordagem multimídia e à busca da expressão das emoções universais. Além disso, aprendeu de seu mestre lições de

“ECONOMIA DE MOVIMENTO: O MOVIMENTO SÓ DEVE SER EMPREGADO SE TIVER UM PROPÓSITO SIGNIFICATIVO QUANTO AO QUE SE QUER TRANSMITIR”.

Ela não estava interessada em como as pessoas se movem, mas no que move as pessoas.
A influência de Pina Bausch é imensa: ela está para a dança como um Pierre Boulez para a música, um Grotowski para o teatro, um Fellini e Almodóvar para o cinema. Sua presença se expande por essas áreas, indireta ou até diretamente – como no caso de Almodóvar, que utilizou uma cena da coreografia Mazurca Fogo no filme Fale com Ela.
Seu estilo coreográfico está fundado num jogo de perguntas e respostas com os bailarinos. As perguntas podem ser descritivas, pessoais ou abstratas. Bausch vai selecionando gestos, alterando a forma dos movimentos, construindo cenas e montando o grande quebra-cabeça. A tensão interna dos espetáculos é rigorosa, o tempo não está jamais entregue ao acaso, e nada do que se vê no palco é improvisado, embora tenha partido da improvisação.
Assim como todo tipo de gesto, do sofisticado ao banal, pode se integrar ao idioma da dança, também todo tipo de música cabe – de Schubert a Edith Piaf, de Haendel ao tango e a Caetano Veloso. No limite, os espetáculos tendem para a incorporação total. Um território do espírito, onde os movimentos dos bailarinos ultrapassam os limites corporais e se integram nos movimentos da música, da luz e até, por vezes, dos cenários. As ambivalências estão presentes na cena, que combinam alegria e tristeza, exuberância e redução, angústia e tranquilidade; combinam também homens e mulheres, equilibrados com maior ou menor sucesso entre o que é de dentro e o que é de fora de cada pessoa.
Nos últimos anos, ela se dedicou a observar pessoas em várias cidades: Lisboa, Roma, Austin, Budapeste, São Paulo e Tóquio, entre outras. Para cada espetáculo, a companhia fazia uma residência num lugar. As impressões dos bailarinos serviam, então, de material para a dança.

UMA CARTA DO MUNDO – VISTO NAQUELA DIMENSÃO ONDE AFETO, CORPO E MEMÓRIA VIRAM UMA COISA SÓ – CONSTRUÍDA PELO MOVIMENTO, PELAS EMOÇÕES, PELOS DESEJOS, PELOS MEDOS, PELAS POTÊNCIAS DE CADA UM, ATIVADOS PELA PERCEPÇÃO DA CULTURA DO LUGAR.

Pina se foi, e nos deixa uma marca funda de ausência e presença, uma fenda que se abre em outra direção. A força de seu trabalho se multiplica hoje como pequenas ondas, em que os movimentos explodem por dentro. Tudo ganha novos volumes e novos sentidos, lendo, relendo e treslendo sua obra. Partimos dela para chegar a alguma nova imagem de nós mesmos – alguma inspiração, outra alegria! –, como esta agora, na passarela.

++++++++++++++++++++++++++++++++

Este texto é da Inês Bogéa
Diretora da São Paulo Companhia de Dança